quarta-feira, 31 de março de 2010

"No Oceano das palavras, mar revolto é Solidão..."

Quando milhas nos afastam
e navego em tua lembrança
doce, o mar traz o teu cheiro.
E minha nau, a Esperança
tanto oscila e balança,
quase chega a naufragar.

Pois maior que a latitude
deste arco que nos dista
só existe uma amplitude:
teu sorriso a me inundar.

E se o Sol fustiga a pele,
penso logo em teu beijo.
Desse modo, na epiderme
o que arde é só desejo
de te ter, carinho meu,
sopra as velas a vontade.

E de te ter, carinho meu,
sopra as velas a vontade
então meu coração aponta
com tamanha força, e tanto,
que meu Norte finco em ti.

Pois me guia e me encanta
de sereia esse teu canto
que me leva rumo a ti.

No Oceano das palavras,
mar revolto é Solidão...
Paradoxal verdade:
entre sacas e ressacas
és tábua de salvação
e me afogas de Saudade!