domingo, 15 de agosto de 2010

O Relógio de Baudelaire

O RELÓGIO

Relógio! deus sinistro, assustador, indiferente,
E cujo dedo ameaça a nos dizer: Recorda!
A vibradora Dor, que, no medo transborda,
Em teu coração irá se encravar brevemente;

O Prazer é uma bruma a buscar a amplidão
Tal sílfide que morre além da onda mais fria;
Cada instante destrói um pouco da alegria
Que a cada homem se deu para toda a estação.

Por hora mais de três mil vezes, o Segundo
Murmura: Lembra então! Com sua voz sonora
De inseto, Agora diz: Olha que eu sou Outrora,
Bombeou a minha tromba a tua vida, ó imundo!

Remember! Lembra então! Esto memor! em coro
(Não ignora um idioma a goela de metal)
O minuto é uma ganga, ó frívolo mortal,
De que não deixarás de extrair todo o ouro!

Lembra então que este Tempo é um jogador atento
Numa lei de ganhar, perene e sem trapaça.
Lembra então como a noite aumenta e o dia passa,
A clepsidra é vazia; o abismo está sedento.

Mas o divino Acaso, ou bem cedo ou mais tarde,
Ou a Virtude augusta, esposa virginal,
Ou o próprio Remorso (Oh! o abrigo final!)
Ou tudo te dirá: "Morre, é noite, covarde!"