domingo, 9 de maio de 2010

"É domingo em mim também..."

... a acuidade dolorosa das minhas sensações, ainda das que
sejam de alegria; a alegria da acuidade das minhas sensações,
ainda que sejam de tristeza.

Escrevo num domingo, manhã alta, num dia amplo de luz
suave, em que, por sobre os telhados da cidade interrompida, o
azul do céu sempre inédito fecha no esquecimento a existência
misteriosa de astros...
É domingo em mim também...
Também meu coração vai a uma igreja que não sabe onde é,
e vai vestido de um traje de veludo infante, com a cara corada
das primeiras impressões a sorrir sem olhos tristes por cima do
colarinho muito grande.

(Livro do Desassossego)