quinta-feira, 22 de abril de 2010

Tuas palavras


a Fred Caju 

Letra por letra, tuas palavras exalam os perfumes mais suaves,
como as belas rosas. Entretanto, elas também denunciam venenos
que entorpecem o mundo. Pétala por pétala, numa síntese mágica
de alegrias e tristezas. Bálsamo que envolve os meus sentidos.

Verso por verso, tuas palavras desenham arco-íris de emoções a
colorir os dias e as noites de minha vida. Afagando meus olhos
numa dinâmica de luz e sombra. Cor por cor, ao misturar tintas
de sonhos e ilusões... Colorido incandescendo brumas, paixões.

Estrofe por estrofe, tuas palavras despertam o que há de pior,
e melhor, em mim... Ao contemplar todos os vícios, mas também,
todas as virtudes. Erro por erro, levando-me a cada um de meus
acertos. Aprendizado vital diante da tessitura de meus versos.

Poema por poema, tuas palavras invadem minhas veias, percorrem
todo o meu corpo. A flutuar entre espaços nítidos, e secretos,
de minha alma. Órgão por órgão, deslizando através de lágrimas
e sorrisos. Anatomia de rimas dentro-fora do corpo só coração.

Página por página, tuas palavras projetam sentimentos, cidades
ruas e destinos. A caminhar por entre portas, janelas e vastos
labirintos. Imagem por imagem, reconstruindo os passos de cada
um de nós. Guiando-me por trilhas de versos, estrofes, poemas.